Um Tópico fascinante de estudo é a origem do alfabeto grego, que existe até hoje na Grécia, e forma a base de outros alfabetos também existentes, como o cirílico.

Sabe-se que o alfabeto grego foi uma adaptação do sistema de escrita fenício, este último ilustrado no mapa pelo termo old semitic alphabetic script. Há uma hipótese, bem plausível, que a escrita chamada no mapa de Old Phrygian, datada a partir do século VIII a.C., é já uma adaptação pelos anatólios do alfabeto grego (as 17 primeiras letras dos dois alfabetos são as mesmas…). Se isso for assim, a introdução do alfabeto na Grécia precisaria já ter acontecido na data das evidências mais antigas do alfabeto Frígio (séc VIII). Há quem especule que o alfabeto grego seria do séc. IX e não do VIII, justamente para dar tempo para que a inovação se expandisse (e fosse modificada) em direção à Anatólia. O certo é que as evidências mais recuadas do alfabeto grego na Grécia são da segunda metade do séc. VIII (mas isso já daria um novo post..)

A principal contribuição do alfabeto grego aos sistemas de escrita do Mediterrâneo consistiu na notação gráfica sistemática das vogais (em contraste com os alfabetos da região da Síria-Palestina que notavam sistematicamente apenas as consoantes).

Note, por fim, a distinção importantíssima entre Língua (ou Idioma) e Sistema de Escrita. O mapa apresenta sistemas de escrita, não línguas. Isso significa que o mesmo sistema de escrita pode ser utilizado para registrar várias línguas diferentes (como o alfabeto latino é usado tanto para o inglês como para o português), enquanto a mesma língua pode ser rendida graficamente em diferentes sistemas de escrita (como foi o caso do grego antigo, que foi escrito primeiro em Linear B, depois no alfabeto grego que conhecemos e no sistema de escrita de Chipre (que aparece no mapa sob o nome de Cyprian syllabic script).

Para quem quiser usar o mapa em sala de aula ou atividades afins, a fonte é esta:

Wittke, A.-M., “The approximate core areas of distribution of hieroglyphic, cuneiform, alphabetic and syllabic scripts in the Eastern Mediterranean area (c. 12th to 7th cents. BC)”, in: Brill’s New Pauly Supplements I – Volume 3 : Historical Atlas of the Ancient World, Edited by: Anne-Maria Wittke et al.

Categorias: Língua Grega

Félix Jácome

Historiador. Doutor e Mestre em Estudos Clássicos - Mundo Antigo- na Universidade de Coimbra. Apaixonado pelas culturas antigas e sua importância para o nosso mundo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: