A Reforma de Akhenaton e a História do Egito Antigo

“Quando te levantas, belo, no horizonte do céu, ó Aton vivo, aquele que deu início à vida, (quando) brilhas no horizonte oriental, tu enches todas as terras com a tua perfeição. Tu és belo, grande, refulgente, elevado acima de todas as terras. Teus raios cingem as terras até o limite de tudo o que tu criaste. Em tua qualidade de Sol, tu atinges os seus confins e os submetes ao filho amado por ti”.

Trecho do Grande Hino ao Aton/ Tradução: Ciro Flamarion Cardoso, Tumba de Ay, Tell el-Amarna

No século XIV AEC, subiu ao trono do Egito o faraó Amenhotep IV, que entrou para História como Akhenaton ao empreender uma reforma religiosa com significativas repercussões políticas, artísticas e mortuárias no antigo Egito. No episódio conhecido como a reforma de Amarna (1352 -1336 AEC), Akhenaton elevou o disco solar, Aton, à categoria de divindade principal e primordial, proclamando seus feitos e atributos em hinos inscritos nas tumbas da elite amarniana, como na passagem supracitada do Grande Hino ao Aton, uma das principais fontes para estudarmos a religião amarniana. Nesta, o disco solar mantinha uma relação exclusiva com a família real, especialmente com casal, Akhenaton e Nefertiti que, juntamente com o deus, formavam uma tríade divina passível de adoração nas casas da cidade de Akhenaton, erigida para ser a sede do do disco solar, hoje conhecida por seu nome árabe, Tell el-Amarna. 


O episódio da reforma de Akhenaton gera muito debate, especialmente se estaríamos diante de uma primeira manifestação monoteísta de lógica religiosa. Este Curso pretende abordar o período da História do Egito Antigo conhecido como ‘Reino Novo’ (1550 – 1069 AEC), tendo como foco a referida reforma de Amarna, em diálogo com panorama contextual do período que antecede o reinado de Akhenaton, bem como a fase subsequente de apagamento da memória régia, destacando os aspectos políticos e religiosos da reforma, a partir de fontes epigráficas, textuais e sobretudo iconográficas. Ao fim do Curso, o (a) participante poderá entender a natureza da reforma e fundamentar seu próprio pensamento acerca deste momento ímpar da História da Antiguidade.

Professora

Prof. Dra. Gisela Chapot

Prof. Dra. Gisela Chapot

Doutora em História Social pela Universidade Federal Fluminense (UFF) com estágio de pesquisa no Departamento de Arqueologia da Universidade de Cambridge, Inglaterra.
Mestre em História Social pela UFF, com período de pesquisa no Departamento de História e Arqueologia da Universidade de Bonn, Alemanha.
Possui experiência em História Antiga, com ênfase em Egiptologia, atuando nos seguintes temas: poder, religião e iconografia no Egito Antigo, sobretudo no período amarniano.
Atualmente faz parte do Laboratório de Egiptologia do Museu Nacional/Seshat, leciona na especialização lato sensu em História Antiga e Medieval da Faculdade de São Bento do Rio de Janeiro e é membro do Projeto de Pesquisa e Conservação da Tumba de Neferhotep (TT49), que atua no Vale dos Nobres, em Lúxor (Egito).

Programa do Curso

(clique no título de cada aula para ler a descrição)

Na primeira aula do curso apresentaremos um panorama geral acerca da Décima Oitava Dinastia, momento em que o Egito se reunificou após uma longa fase de dominação estrangeira, quando os chamados hicsos estiveram no poder e foram vencidos pela casa tebana, iniciando assim a referida dinastia.  Esta foi marcada pela construção de um império egípcio no Oriente Próximo, com faraós guerreiros destacando sua performance militar como elemento para legitimação do poder em cenas que decoram as paredes externas dos templos por todo país. Nota-se também uma ênfase na promoção da deificação do faraó como um “grande deus”, status que o colocava no patamar das maiores divindades do país. Além disso, a crescente força do deus Amon-Ra no período marcou a associação dos monarcas com a divindade tebana, que se proclamaram seus filhos. Nesse sentido destacaremos dois reinados para observar os elementos legitimação da imagem régia: Hatshepsut e Amenhotep III, que registraram em paredes templárias cenas de seus nascimentos divinos, como filhos de Amon, com ênfase no reinado de Amenhotep III, marcado por forte solarização religiosa que culminou na ascensão de seu filho e sucessor, Amenhotep IV (Akhenaton).

Na segunda aula pretendemos apresentar um panorama dos principais pontos da reforma de Amarna, desde a sua fase tebana com a presença de importantes elementos religiosos e artísticos, como a introdução do primeiro nome didático do Aton: Ra-Harakhty, que se alegra no horizonte, em seu nome de Shu que está no Aton. Carregado de elementos solares, o primeiro nome do deus de Amarna norteou as ideias de Akhenaton em seus primeiros anos de reinado, que antecedem a partida para Amarna e fundamentou o padrão representativo, que se tornou a marca registrada no período amarniano. Pretendemos também nesta aula destacar alguns debates atuais e controversos, como as questões políticas envolvendo disputas no seio sacerdotal tebano e as teorias de sucessão ao trono, na fase final da reforma, que apontam para a figura da rainha Nefertiti como governante do Egito.

Na terceira aula, a partir de fontes epigráficas, imagéticas e da cultura material, iremos apresentar a religião amarniana em sua perspectiva oficial, ou seja, templária e monárquica, analisando as relações entre a família real de Amarna e o culto divino, reservando um espaço para discutir o alegado monoteísmo, sempre em voga quando se trata do período amarniano. Adentraremos também no mundo post mortem de Akhenaton, igualmente controverso e repleto de teorias as quais, atualmente, indicam uma vinculação do destino mortuário com a cidade de Amarna. De forma inédita, a família real toma o lugar do morto nas cenas mortuárias e o dono da tumba se torna um coadjuvante dos novos protagonistas. As imagens do período amarniano nos permitem afirmar que, durante a reforma, as hierarquias divinas do antigo panteão politeísta foram reproduzidas no seio da família real, onde Akhenaton e Nefertiti atuavam como “grandes deuses” dinásticos e suas filhas como “deuses menores” dominando assim todo o repertório imagético do período.

Na quarta aula do curso abordaremos o fim da Décima Oitava Dinastia, marcado pela restauração da tradição tebana e a transição no quadro da monarquia egípcia sob Horemheb, último faraó do período. Este não possuía laço de parentesco direto com o primeiro monarca da Décima Nona Dinastia, General Paramessu, que adotou o nome de Ramsés I, inaugurando a era conhecida na Egiptologia como Raméssida. Seu sucessor, Séty I, foi o responsável pela restauração dos templos tradicionais, banindo Akhenaton da linhagem monárquica efetuando sua damnatio memoriae. Dentre as principais características da Décima Nona Dinastia, em termos de legitimação régia, manteve-se a atividade militar, com grandes campanhas fora do Egito, refletindo uma política externa agressiva, cujas cenas foram retratadas de forma magnificente nos relevos do período. Destacaremos nesta aula o reinado de Ramsés II, faraó que suplantou todos os faraós anteriores na autodivinização em vida, através da construção de inúmeras imagens de culto próprias carregadas de simbolismos que o igualavam aos grandes deuses, como no monumento escultórico de Abu-Simbel, onde Ramsés II, divinizado, equipara-se ao deus solar de Heliópolis, Ra.

Calendário e Funcionamento

O curso constará de quatro aulas online em tempo real (ao vivo), totalizando 8 horas de carga horária. As sessões serão nos dias 14/10, 21/10, 28/10, 04/11, sempre às quintas das 20:00 às 22:00. Não pode em algum ou mesmo em todos esses dias? Não é um problema, pois as aulas são gravadas e disponibilizadas durante todo o Curso e até 60 dias após o seu término.  As sessões serão pela plataforma Zoom, sendo possível interagir via chat, áudio e vídeo durante as aulas.
Valor total do Curso: 150 reais. Estudantes universitários (graduação) e Professores (as) da educação básica da rede pública ou privada têm direito a 50% de desconto. Para obter o desconto, após realizar o pagamento, envie para o nosso email um comprovante (vínculo empregatício, vínculo de matrícula, carteira de estudante, entre outros) de que faz jus ao desconto ( [email protected]).
O pagamento é feito via cartão de crédito, transferência bancária, PIX ou boleto. Você fará a escolha do pagamento depois que clicar em “Pagar a Inscrição”, logo abaixo.

Inscrições encerradas

Acesso ao Curso

A Reforma de Akhenaton e a História do Egito Antigo ​

Valor Integral
R$ 150
  • Aulas em tempo real (14/10, 21/10, 28/10, 04/11, quintas-feiras das 20:00 às 22:00)
  • Possibilidade de seguir o curso pelas gravações das aulas
  • Sessões via Zoom com interação direta com o Professor
  • Certificado de participação com a carga horária
    (tanto para quem assiste ao vivo como para quem segue o Curso via gravações)

Acesso ao Curso

A Reforma de Akhenaton e a História do Egito Antigo

Valor com Desconto
(estudantes de graduação ou professores da rede básica, pública ou privada)
R$ 75
  • Aulas em tempo real (14/10, 21/10, 28/10, 04/11, quintas-feiras das 20:00 às 22:00)
  • Possibilidade de seguir o curso pelas gravações das aulas
  • Sessões via Zoom com interação direta com o Professor
  • Certificado de participação com a carga horária
    (tanto para quem assiste ao vivo como para quem segue o Curso via gravações)

estudante

Exemplos de publicações da
Prof. Dra. Gisela Chapot

Comentários dos nossos estudantes:

Perguntas Frequentes

O Curso funciona com aulas em tempo real pela plataforma Zoom, nas quais os Professores expôem o conteúdo com o suporte de slides e, em seguida, temos o debate em que todos (as) podem comentar ou perguntar, via chat ou webcam. 

Entre as aulas, nós nos comunicamos por email com a turma, respondendo perguntas adicionais e sugerindo bibliografias.

As aulas ao vivo são gravadas e disponibilizadas aos inscritos durante todo o período do Curso. O acesso às gravações termina 60 dias após o término do Curso.

Os Professores que ministram nossos Cursos são convidados ou selecionados pelo nosso comité científico. Os Professores possuem a titulação mínima de Mestre e trabalham diretamente com a pesquisa e ensino acerca dos povos da Antiguidade. Nos nossos Cursos, você terá um profundo conhecedor das matérias ensinadas te guiando na (re)descoberta do mundo antigo.

Nossos Cursos são recomendados para qualquer adulto que tenha interesse nas civilizações da Antiguidade. Aqui você encontrará o conteúdo organizado de maneira muito mais profissional e pedagógica do que se pode achar de maneira aleatória na internet.

Sim, nós fornecemos certificado com a descrição das matérias vistas no Curso e com a carga horária. Nossos certificados têm sido úteis, por exemplo, para a complementação de carga horária de atividades extra-curriculares nos cursos de Graduação nas Universidades, ainda que cada Universidade tenha autonomia para aceitar ou rejeitar qualquer tipo de certificado.

Nós devolvemos o pagamento da sua inscrição em duas ocasiões: a) Até o dia da primeira aula; b) Após a primeira aula e antes da segunda, caso você tenha visto a primeira aula e não tenha gostado. Para tanto, basta nos enviar um email, sem burocracia, pois queremos que nossos Cursos sejam enriquecedores para você.

Ainda com dúvidas?
Você pode nos escrever e responderemos bem rápido

Receba as novidades do Instituto Mundo Antigo em seu email

Junte-se a 360 outros assinantes