A grande maioria dos (as) pesquisadores (as) enfatiza a modernidade do conceito de racismo. O racismo seria fruto de um contexto histórico particular caracterizado pela experiência europeia de colonização entre os séculos XVII e XIX, assim como pelo desenvolvimento da teoria darwinista da evolução e pela construção de uma ciência que explicasse o desenvolvimento desigual das supostas raças humanas. Assim, a lógica de derivar características culturais e morais de marcas fenotípicas e biológicas seria típica do pensamento racista que surgiu na modernidade europeia, sendo, portanto, uma experiência desconhecida da Antiguidade.

Uma historiografia recente acerca dos períodos antigo e medieval tem desafiado, contudo, essa tese. Denise McCoskey (Race Before ‘Whiteness’: Studying Identity in Ptolemaic Egypt), por exemplo, advoga “um retorno ao conceito de raça. Minha recomendação [é] que revivamos o uso do termo específico raça para conotar as operações de organização e essencialização da identidade [na Antiguidade]”. Em 2015, Cord J. Whitaker afirmou na introdução de um volume dedicado a ‘raça e a Idade Média’ que “a questão da relevância da raça está resolvida: sim, a Idade Média foi totalmente racializada”. Lynn T. Ramey (Black Legacies: Race and the European Middle Ages), por sua vez, aponta o caráter inovador do projeto: apesar da crença generalizada de que a raça é uma construção exclusivamente moderna, muitos elementos dos principais discursos sobre raça já estavam presentes na Idade Média“.

 

Mas qual o conceito de raça e racismo que estes(as) autores(as) estão projetando para o mundo pré-moderno? Haveria uma linha de continuidade mais óbvia do que se tem reconhecido entre as práticas discriminatórias dos antigos e o racismo moderno? Como podemos distinguir, na experiência antiga e medieval, etnocentrismo, xenofobia e preconceito cultural de racismo? O quase consenso que até pouco existia de que o racismo é um conceito moderno deve ser abandonado em favor de uma ampliação dos regimes raciais na História, incluindo os mundos antigos e medievais? 

 

Partindo de um artigo publicado em 2020 na Revista Brasileira de História (Jácome Neto, Félix, “A recusa da interação: um ensaio historiográfico sobre etnocentrismo e racismo na Grécia Antiga”), esse Curso online visa debater essas questões por meio de uma investigação, em 6 aulas, da relevância dos termos raça e racismo para o contexto da Antiguidade e do Medievo. Debateremos as ideias dos autores modernos que almejam aplicar os conceitos para a experiências pré-modernas, assim como analisaremos como as fontes gregas, romanas e medievais expressaram seus preconceitos culturais em relação a culturas distintas, tentando perceber se podemos identificar a “racialização” de grupos sociais específicos, como vemos em marcha no mundo contemporâneo. 

 

Datas das Aulas (curso via Zoom, cada aula possui 2 horas):

* É possível fazer o curso via acesso às gravações (acesso por 90 dias).

 

Aula 1. 01 de novembro (terça, 20h). 

Ideologia ou sistema? Aportes para uma definição do racismo

Participação especial do Prof. Dr. Marcello Assunção (UFRGS)

 

Aula 2.  16 de novembro, (quarta, 20h).

 A cor importa? Buscando peles negras nas fontes greco-romanas.

 

Aula 3.   23 de novembro, (quarta, 20h).

Encontrando o racismo estrutural na Antiguidade: os estrangeiros na Atenas clássica seriam grupos ‘racializados’?

 

Aula 4.    30 de novembro (quarta, 20h).

Inferioridade hereditária dos orientais? Lendo os textos médicos gregos.

 

Aula 5.   7 de dezembro (quarta, 20h). 

‘Racialização’ dos gauleses? A conquista romana da Gália. 

 

Aula 6.  14 de dezembro (quarta, 20h).

Reduzindo os islâmicos a uma raça? Intolerância religiosa na época das cruzadas medievais.

 

  

Inscrições:

Via PIX para o seguinte CPF: 04644640484 (Félix Jácome Neto), enviar comprovante para institutomundoantigo@gmail.com junto com nome completo.

Se precisar de outra modalidade de pagamento (boleto ou cartão de crédito), entre em contato conosco fornecendo seu nome completo, CPF e telefone para institutomundoantigo@gmail.com.

 

Valor do Curso: 140 reais 

(a turma funcionará com ao menos 15 participantes).

  

 

 

Professor

Félix Jácome Neto

Félix Jácome Neto

Professor Substituto de Língua e Literatura Grega da Universidade Federal do Rio de Janeiro
Pós-Doutorado em Letras Clássicas na Universidade de São Paulo.
Doutor e Mestre em Estudos Clássicos - Mundo Antigo - na Universidade de Coimbra (Portugal).
Graduado em História na Universidade Federal da Paraíba.
Períodos de pesquisa no exterior na Universidade Aristóteles de Tessalônica em março de 2019 e na Universidade de Barcelona, entre setembro de 2019 e fevereiro de 2020.
Fundador e organizador do Instituto Mundo Antigo, um Centro Independente de estudos e cursos acerca das civilizações da Antiguidade.

Perguntas Frequentes:

O Curso funciona com aulas em tempo real pela plataforma Zoom, nas quais os Professores expôem o conteúdo com o suporte de slides e, em seguida, temos o debate em que todos (as) podem comentar ou perguntar, via chat ou webcam. 

Entre as aulas, nós nos comunicamos por email com a turma, respondendo perguntas adicionais e sugerindo bibliografias.

As aulas ao vivo são gravadas e disponibilizadas aos inscritos durante todo o período do Curso. O acesso às gravações termina 90 dias após o término do Curso.

Os Professores que ministram nossos Cursos são convidados ou selecionados pelo nosso comité científico. Os Professores possuem a titulação mínima de Mestre e trabalham diretamente com a pesquisa e ensino acerca dos povos da Antiguidade. Nos nossos Cursos, você terá um profundo conhecedor das matérias ensinadas te guiando na (re)descoberta do mundo antigo.

Nossos Cursos são recomendados para qualquer adulto que tenha interesse nas civilizações da Antiguidade. Aqui você encontrará o conteúdo organizado de maneira muito mais profissional e pedagógica do que se pode achar de maneira aleatória na internet.

Sim, nós fornecemos certificado com a descrição das matérias vistas no Curso e com a carga horária. Nossos certificados têm sido úteis, por exemplo, para a complementação de carga horária de atividades extra-curriculares nos cursos de Graduação nas Universidades, ainda que cada Universidade tenha autonomia para aceitar ou rejeitar qualquer tipo de certificado.

Nós devolvemos o pagamento da sua inscrição em duas ocasiões: a) Até o dia da primeira aula; b) Após a primeira aula e antes da segunda, caso você tenha visto a primeira aula e não tenha gostado. Para tanto, basta nos enviar um email, sem burocracia, pois queremos que nossos Cursos sejam enriquecedores para você.

Comentários dos nossos estudantes:

Ainda com dúvidas?
Você pode nos escrever e responderemos bem rápido